quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

Preparação Álcool em Gel


Álcool em Gel

Todos nós já ouvimos e lemos inúmeras informações sobre a gripe A.
Também sabemos que a protecção é o maior meio de combate ao vírus.
Como tal, e devido ao facto deste produto ter triplicado o seu preço,
deixo aqui a receita para a elaboração de álcool em gel:2 folhas de gelatina incolor e sem sabor (compra-se em qualquer supermercado)1 copo de água quente para dissolver as 2 folhas de gelatina.Deixe arrefecer.Acrescente 12 copos de álcool de 96° graus.Está pronto o álcool em gel de 72° a 75° graus.

INVESTIGADORA ALERTA

Investigadora alerta
Crianças passam tempo demais na escola
por LusaOntem
A sociedade tem de devolver às crianças o tempo que elas precisam para brincar, defendeu hoje a investigadora Maria José Araújo, que lança sábado o livro "Crianças Ocupadas. Como algumas opções erradas estão a prejudicar os nossos filhos".
Segundo a investigadora, as crianças entre os seis e os 12 anos "trabalham hoje para e na escola, no seu ofício de alunas, cerca de oito a nove horas diárias, ou seja, cerca de 40 a 45 horas semanais"."A intenção deste livro é criar um debate público sobre a questão da ocupação das crianças e, de alguma maneira, alertar para o direito das crianças", disse à agência Lusa a investigadora do Centro de Investigação e Intervenção Educativas da Universidade do Porto.A desenvolver um trabalho de investigação sobre questões levantadas pelo conceito de "Escola a Tempo Inteiro e as Actividades de Enriquecimento Curricular", a autora considera que "as crianças estão muito ocupadas, têm muitos trabalhos e actividades para fazer todos os dias" ficando sem tempo para brincar."Essas actividades podiam ser brincar, mas são sempre em função da escola", sublinha, acrescentando que "os pais têm uma preocupação muito excessiva em relação ao tempo escolar". A investigadora ressalva que escola a tempo inteiro é uma medida óptima, mas as crianças deviam fazer as actividades que elas pudessem escolher. "A grande questão não é só a quantidade de actividades que fazem, mas o facto da metodologia prevalecente nessas actividades ser sempre orientadas pelos adultos e elas nunca poderem escolher. São aulas atrás das aulas", sustenta.Para Maria José Araújo, é preciso "repensar o modelo da escola". "Este modelo não pode continuar porque as crianças não aguentam", realçou. No livro, a autora, que trabalha há 19 anos com crianças, tenta responder às seguintes perguntas: "Fará sentido que, na sociedade contemporânea, as crianças trabalhem mais do que as 40 horas que achamos razoáveis para os adultos? Fará sentido prolongar de tal modo as suas ocupações que não lhes deixamos tempo para brincar e descansar? Será que temos o direito de ocupar e condicionar o tempo livre das crianças depois de um dia de Escola?"."A angústia dos pais para que as crianças trabalhem muito para ser alguém, como se as crianças não fossem já hoje alguém, pode comprometer tanto o seu presente como o seu futuro", sublinha. Maria José Araújo explica que este livro é, sobretudo, o "resultado de muitos anos de trabalho com crianças e adultos, de muita brincadeira com ambos e de muita preocupação colectiva sobre as consequências negativas que resultam do excesso de trabalho e de actividade organizada para os mais pequenos". É, fundamentalmente, um alerta para a questão dos direitos das crianças. "Sobre as crianças aprendi mais com elas do que com os adultos ou com os livros", remata. O livro "Crianças Ocupadas", de Maria José Araújo e editado pela Prime Books, será lançado sábado, pelas 18:00, na Livraria Salta Folhinhas, no Porto.A apresentação da obra será feita por Agostinho Ribeiro, professor jubilado da Universidade do Porto, e por Dulce Guimarães, da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Porto Oriente e da Associação de Ludotecas do Porto.

terça-feira, 6 de Outubro de 2009

quarta-feira, 16 de Setembro de 2009

ARQUEOLOGIA SUBAQUÁTICA

http://nautarch.tamu.edu/shiplab/indexbaleal-port.htm

Quem diria, uma coisa tão simples como lavar muitas vezes por dia as mãos, pode evitar a gripe!!!!

PERGUNTAS E RESPOSTAS: 1 .- Quanto tempo pode durar o vírus vivo em uma superfície? R: Até 10 horas.
2. - P: Qual a utilidade do álcool para limpar as mãos? R: Deixa o vírus inactivo e mata-o.
3 ..- Q: Qual é o meio mais eficaz de infecção deste vírus? R: O ar não é a forma mais eficaz de transmissão do vírus, o fator mais importante para a fixação do vírus é a humidade, (revestimento do nariz, boca e olhos), o vírus não voa e não atinge mais de um metro distância.
4 .- Q: É fácil a infectar-se em aviões? R: Não é um meio propício.
5 .- Q: Como posso evitar a infecção? R: Não levar as mãos ao rosto, olhos, nariz e boca. Não ter contacto com pessoas doentes. Lavar as mãos mais de 10 vezes por dia.
6 .- Q: Qual é o período de incubação do vírus? R: Em média 5 a 7 dias e os sintomas aparecem quase que imediatamente.
7 .- Q: Quando você deve começar a tomar medicação? R: Se tomada até 72 horas depois, as perspectivas são muito boas, a melhora é de 100%.
8 .- Q: Qual é a forma como o vírus entra no corpo? A: Pelo contacto ao dar a mão ou beijar na bochecha. Ele penetra pelo nariz, boca e olhos.
9 .- Q: O vírus é letal? R: Não, o que provoca a morte é a complicação da doença causada pelo vírus, que é pneumonia
10 .- Q: Quais os riscos dos familiares das pessoas que morreram? R: Podem ser portadoras e formam uma cadeia de transmissão.
11 .- Q: A água nas piscinas transmite o vírus? A: Não, porque ele contém substâncias químicas e clorados
12 .- Q: O que faz o vírus para provocar a morte? R: Uma cascata de reacções, tais como insuficiência respiratória e a pneumonia grave, que é a causa da morte.
13 .- Q: Quando pode iniciar o contágio, mesmo antes ou só quando os sintomas ocorrem? R: Desde que se tenha o vírus, antes dos sintomas
14 .- Q: Qual é a probabilidade de recaída com a mesma doença? R: 0%, pois fica-se imune ao vírus.
15 .- Q: Onde é que o vírus se encontra no meio ambiente? R: Quando uma pessoa contagiada tosse ou espirra, o vírus pode permanecer em superfícies lisas, como portas, dinheiro, papéis, documentos, desde que haja humidade. Uma vez que não se pode esterilizar o ambiente é extremamente importante a higiene das mãos.
16 .- Q: Se eu for para um hospital particular podem cobrar-me o remédio? R: Não, existe um acordo de não cobrar, porque o governo o está proporcionando a todas as instituições de saúde públicas e privadas.
17 .- Q: O vírus ataca mais os asmáticos? R: Sim, genericamente esse pacientes são mais sensíveis, mas este é um germe novo, todos são igualmente susceptíveis.
18 .- Q: Qual é a população que este vírus está a atacar? R: 20 a 50 anos de idade.
19 .- Q: A máscara é útil para cobrir a boca? R: Há algumas melhores do que outras, mas se for saudável é contraproducente, pois o vírus, pelo seu tamanho, atravessa-a como se ela não existisse e usando a máscara, é criado dentro da área do nariz e da boca um microclima húmido favorável ao desenvolvimento do vírus. Mas se você já está infectado, é melhor usá-la para evitar infectar outras pessoas – neste caso ela é relativamente eficiente.
20 .- Q: Posso fazer exercício ao ar livre? R: Sim, o vírus não vai para o ar e não tem asas.
21 .- Q: Existe alguma vantagem em tomar vitamina C? R: Não serve de nada para evitar a infecção por este vírus, mas ajuda a resistir aos sintomas.
22 .- Q: Quem está a salvo da doença ou quem é menos susceptível? R: Não há ninguém a salvo, o que ajuda é a higiene dentro de casa, escritório, utensílios e não ir a lugares públicos.
23 .- Q: Será que o vírus se move? R: Não, o vírus não tem nem pernas nem asas, só com um empurrão consegue entrar no interior do corpo.
24 .- Q: Os bichos de estimação podem propagar o vírus? R: Este vírus não, talvez alguns outros vírus.
25 .- Q: Se eu for a um velório de alguém que morreu deste vírus posso infectar-me? R: NÃO.
26 .- Q: Qual é o risco de mulheres grávidas com o vírus? R: As mulheres grávidas têm o mesmo risco de qualquer pessoa; elas podem tomar antivirais em caso de infecção, mas com rigorosa supervisão médica.
27 .- Q: O feto pode ter lesões se uma mulher grávida é infectada por este vírus? R: Não sabemos o que pode acontecer, pois é um vírus novo.
28 .- Q: Posso tomar ácido acetilsalisílico (aspirina)? R: Não é recomendado, porque pode causar outras doenças, a menos que tenha sido receitado para problemas coronários, nesse caso, deve-se continuar.
29 .- Q: Existe alguma vantagem em tomar antivirais antes dos sintomas? R: Não é bom.
30 .- Q: As pessoas com HIV, diabetes, sida, cancro, etc. podem ter mais complicações do que uma pessoa saudável, quando do contágio pelo vírus? R: Sim.
31 .- Q: A gripe convencional poderia tornar-se Gripe A? R: NÃO.
32 .- Q: O que mata o vírus? R: O sol, mais de 5 dias no ambiente, o sabão, os antivirais específicos, o álcool gel.
33 .- Q: O que fazer para prevenir infecções, nos hospitais, para os outros pacientes que não têm o vírus? R: Isolamento
34 .- Q. O álcool gel é eficaz? R: Sim, muito eficaz.
35 .- Q: Se eu sou vacinado contra a gripe sazonal eu estou segura? R: Não serve de nada, ainda não há vacina para este vírus.
36 .- Q: Este vírus está sob controle? A: Não totalmente, mas estão a ser tomadas medidas agressivas de contenção.
37 .- Q: O que acontece com a mudança de alerta 4 para 5? R: A fase 4 não é diferente da fase 5, só significa que o vírus se propagou de pessoa a pessoa em mais de 2 países, e a fase 6, é que se propagou para mais de 3 países.
38 ..- P. Quem foi infectado por este vírus e está saudável, é imune? R: Sim.
39 .- Q: As crianças que têm tosse e constipações podem estar com a gripe A? R: É pouco provável, as crianças são pouco afectadas.
40 .- Q: Que medidas devem tomar as pessoas nos locais de trabalho? R: Lave as mãos várias vezes ao dia.
41 .- Q: Eu posso apanhá-lo ao ar livre? R: Se as pessoas estão infectadas e tossem ou espirram perto de si, pode acontecer, mas o ar é um meio de pouco contágio.
42 .- Q: Pode comer porco? R: Sim, não há risco de contágio.
43 .- Q: Qual é o factor determinante para saber se o vírus já está sob controle? R: Embora a epidemia esteja controlada agora (1º Sem. 2009) pode voltar e, provavelmente, não haverá ainda vacina.